Por trás da capa: Houses of The Holy, Led Zepellin

01.04.2013 / Em design música / Por Janara Lopes

Como disse meu amigo chamado Maravilha: "Imagine a responsa de fazer um álbum depois do Led Zepellin IV". O Houses of the Holy é outro disco que completa 40 anos em 2013. E como muita gente gostou de saber da história por trás do The Dark Side of The Moon, decidimos transformar a ideia em uma coluna fixa por aqui. Contaremos a história das grandes capas de grandes discos da história da música - e já estamos aceitando sugestões.

E a já que começamos assim, vamos transformar em tradição: tem que começar dando o play para entrar no clima.



Frente e verso

Durante as décadas em que para se achar uma resposta era necessário muito mais que uma busca pela rede, todo mundo se perguntava qual o significado da capa sinistra de Houses of the Holy. Porque as crianças nuas? Que lugar é esse? Seria mais algum símbolo ocultista dentre os vários espalhados por Jimmy Page ao longo da história do Led?

O lugar escolhido pela Hipgnosis - estúdio do qual já falamos aqui - foi o Giant’s Causeway, na Irlanda do Norte. Segundo a Wikipedia: "Um conjunto de cerca de 40 mil colunas prismáticas de basalto, encaixadas como se formassem uma enorme calçada de pedras gigantescas, formadas pela disjunção prismática de uma grande massa de lava basáltica, resultante de uma erupção vulcânica ocorrida há cerca de 60 milhões de anos"


Giant’s Causeway, Irlanda do Norte

Aubrey Powell, o responsável pelo design da capa, conta que o conceito partiu do livro Childhood’s End, de Arthur C. Clarke.

O livro fala sobre a invasão alienígena pacífica da Terra pelos Overlords, criaturas misteriosas, cuja chegada acaba com todas as guerras e transforma o planeta em uma quase-utopia. No romance, centenas de milhões de crianças da Terra se reúnem para ser levadas para o espaço.. O livro influenciou tanta gente que virou nome de música do Pink Floyd, do Kiss e até do Marilion. E como informação nunca é demais, Clarke foi colaborador de Stanley Kubrick no roteiro de 2001: uma odisséia no espaço.

Mas voltemos ao Led.


Aubrey Powell, o criador

A primeira coisa que você precisa saber é que nunca existiu um pequeno exército de crianças nuas com perucas loiras, como muito se especulou. Apenas duas crianças, com cabelos realmente loiros, aparecem na capa: Samantha e Stefan Gates,que se tornou um famoso apresentador de um programa de culinária da BBC, chamado Danger Zone


Stefan Gates, uma das crianças da capa

Foram 10 dias de fotos e 10 dias de chuvas ininterruptas. Gates tinha cinco anos na época. Samantha era um pouco mais velha: "Nós ganhamos apenas algumas libras para posar, era nossa chance de viajar para lugares que nunca havíamos visto antes. Nossa família não era bem de vida, não podia pagar por nossas férias. Por isso funcionou muito bem para nós.

"Lembro-me de chegar ao aeroporto e ver todas essas pessoas com armas, os conflitos que aconteciam no país estavam escancarados. Nos hospedaram em uma pequena casa perto de Causeway, e na tentativa de captar a luz mágica do amanhecer e do anoitecer, fotografávamos no começo da manhã e da noite", afirma Powell.

E continua: " Eu tirei fotos em preto e branco em uma manhã infeliz de frio e chuva. Na ideia original, eu queria que as crianças tivessem cor de ouro e prata. Como foram fotografados em preto e branco em um dia cinzento, elas acabaram ficando muito brancas. Então, quando as pintamos à mão, o aerografista colocou por acidente um tipo de coloração roxa na pele deles. Quando eu vi pela primeira vez, eu disse, 'Meu Deus!'. Então, olhei para ele e disse:

- Espera um minuto... isso ficou de outro mundo!

Então, deixamos como estava. Todo mundo estava morrendo de frio. A única coisa que os mantia juntos era uma garrafa de Mandrax e um monte de uísque."


Stefan e Samantha Gates

Em 2007, Stefan Gates, afirmou nunca ter escutado o álbum. "Ele carrega um significado muito grande para mim", disse ele na época. "Uma parte de mim quer ir a Giant’s Causeway com um grande par de alto-falantes, tirar a roupa e tocá-lo, só para ver se eu tenho algum tipo de epifania."

Samantha Gates, atualmente vive na África do Sul. O Houses of The Holy, quinto disco do Led Zeppelin, vendeu mais de 11 milhões de cópias.

  • rafazolis

    ótima coluna
    acompanha-la-ei sempre e com gosto :D

    Led <3

  • Vz

    eba
    um dia desses me perguntei pq q vc ainda não tinha feito isso.
    obrigada.

  • http://psicodestilado.blogspot.com

    dahora!

  • Danilo

    O link pro Dark Side tá quebrado, tem como postar?

    Abraço!

  • http://www.ideafixa.com Janara

    Arrumei lá , Danilo. Valeu por avisar. Está aqui o link > http://www.ideafixa.com/40-anos-dark-side-of-the-moon

  • http://direcao.art.br Walter

    Sugestão: Octavarium do Dream Theater, vale muito a pena para todo Designer conhecer a história da capa + músicas, é de longe o maior projeto que eu conheço, digno de Pink Floyd.

  • Beto

    Não existia Photoshop , nem câmera digital , iluminação descontrolada, bons tempos , Arte de primeira, não importa quantos anos… isso é pra sempre ” Long live Rock’n Roll “. abraços

  • Jair

    Bitches Brew do Miles Davies, linda capa e sugestão pra uma futura análise

  • http://www.ideafixa.com Janara

    Jair, good news. Esse vai ser com certeza o próximo post. Apesar de não ser o meu disco favorito do Miles, é a capa mais bonita da história.

  • http://www.ricardojansen.hd1.com.br ricardo jansen

    Muito legal a história da capa…lembro que na época que eu comprei este disco(LP) em 1989 havia um comentário de que as crianças eram filhos do Robert Plant!

  • http://www.juliolapagesse.com julio lapagesse

    tenho muita curiosidade para saber da capa de Paranoid (para continuar no rock setentista) do Black Sabbath. sei que o quinto disco da banda, o Sabbath Bloody Sabbath, foi feito pelo ilustrador Drew Struzan (que também fez cartazes de filmes como Indiana Jones e Star Wars entre outros).

    mas o de Paranoid me intriga muito, por ser bem estranha.

    ótima matéria, como sempre!

    abraços

  • http://www.ideafixa.com Janara

    Boa!

  • Elena

    Olá! Queria saber de qual HQ é essa última ilustração do post, que foi muito bem escrito por sinal ;)

    Valeu!

  • http://www.ideafixa.com Janara

    Elena, pior que não sei dizer. Mandaram pra mim só essa imagem.

  • Julio Pinotti

    Bahhh, que coluna sensacional!!! Me bateu uma baita saudade… em 2008 esbocei algo parecido, mas por falta de tempo acabei parando… adorava perder horas pesquisando sobre capas, principalmente se tinham algum significado, alguma curiosidade ou pelo simples design… Eu estava escrevendo ou postando textos já existentes das capas somente após conseguir comprar o LP, por muito tempo foi um vício a procura de capas emblemáticas, a pesquisa de onde comprar, a negociação e finalmente a compra dos LPS com a finalidade de escrever sobre suas portadas. Adquiri muitos discos com essa mania e muitos livros e material de pesquisa. Agora enferrujei… hehehe
    As minhas 3 favoritas:
    Depeche Mode- A Broken Frame
    Cartola- Verde Que te Quero Rosa
    Violent Femmes- Violent Femmes
    (as capas da Gravadora Elenco são demais também).
    Nessa época Acabei me comunicando com vários designers das capas que me interessavam, das que eu queria obter maiores informações para postar no blog. Enfim… ótima ideia a tua! Parabéns!!!!
    Racunhei na época esse blog:

    http://capasdevinil.blogspot.com.br/

  • Miguel Rocha

    Interessante! Sugestão:…uma capa e álbum que traz muitos significados ocultos é o “Tales from Topographic Oceans do Yes”… poderia ser um dos próximos… bjs

  • Pingback: IdeaFixa » A minha banda favorita()